Vamos até à Cerdeira Home for Creativity

cerdeira-home-for-creativity-lolly-taste-blog

Em Maio, pouco tempo depois de ter chegado da India rumei para um fim-de-semana relaxante no meio da natureza. O destino foi a Cerdeira Home for Creativity, uma aldeia de xisto linda situada na serra da Lousã. Foi a minha estreia nesta zona do país e confesso que assim que lá cheguei percebi que já devia ter ido há mais tempo, porque caramba aquela serra é mesmo bonita, com a sua natureza impactante e as amorosas aldeias de Xisto em cada recanto.

cerdeira-aldeia-de-xisto-lousa-lolly-taste-blog

Cheguei à Cerdeira Home for Creativity na sexta-feira já muito de noite

E como sabia que ia chegar tarde pedi antecipadamente para me deixarem o jantar preparado na casa e sem dúvida que foi uma óptima escolha porque a verdade é que aquela hora não iria consegui jantar em lado nenhum. Escolhi um bacalhau à brás com salada, bebida e fruta e estava absolutamente divinal e quentinho. Ora quando cheguei já era de noite e por isso não consegui ver a paisagem, mas percebi logo pelo caminho que fiz desde o carro até à recepção que estava num sítio mágico, pois entre uma fonte maravilhosa, muita natureza e um simpático cãozinho à espera de festas erguia-se uma Aldeia silenciosa mas com uma energia fabulosa.

A Casa do Forno onde fiquei, era absolutamente amorosa, com cozinha, e wc no andar debaixo e um quarto lindo de morrer no andar de cima com uma cama super confortável, por isso foi jantar e atirar-me para um sono revitalizante. Acordei sábado de manhã com um silêncio incrível, vesti uma camisola mais quente porque esteve frio neste fim-de-semana de Maio, peguei no tapete e fui até ao terraço da casa fazer Yoga e foi exactamente aqui que percebi a beleza daquela Aldeia envolta por um verde imenso e que começava a acordar com o compasso certo de quem sabe que a vida sabe melhor vivida sem pressas.

cerdeira-casas-xisto-portugal-lousa-lolly-taste-blog

Fui tomar o pequeno-almoço ao simpático café

E tinha tudo o que precisava para fazer o meu estômago feliz, compotas caseiras, pão saboroso e ainda um bolo caseiro de babar, como bastante bem e preparei-me para um dia de descoberta da incrível Lousã. Claro que o primeiro ponto tinha de ser o famoso baloiço onde se tiram fotos lindas, mas nesse dia teve mesmo de ser a correr porque estava um vento dos demónios e muito mas muito frio mesmo. Aproveitei para conhecer outras aldeias de Xisto como o Talasnal e o Candal, fui até ao Castelo da Lousã que é lindo, perdi-me pelo centro da Lousã e ainda dei um pulinho até às piscinas fluviais da Lousã que me deixaram com vontade de dar um mergulho no verão.

O regresso à Cerdeira fez-se já de noite, para aquela casa de pedra linda que convida a tudo menos a perderes tempo com telefones, e exactamente por isso o wi-fi só está disponível na zona do café e não há televisão e a verdade é que não é necessário, porque a cadeira de baloiço e as mantas perto da janela com vista para um verde incrível convidam a longas horas de leitura e para quem precisa de se entreter tem jogos de tabuleiro à espera dentro de casa. Ou quem sabe fazer aquela coisa tonta que se fazia antigamente chamada conversar com a vossa companhia, sem pressas, sem ecrãs, sem fotos ou notificações.

O Domingo nasceu mais solarengo

E depois de encher a barriga com o delicioso pequeno-almoço e fazer o check out rumei a uma sugestão dada por uma das meninas que trabalhava na Cerdeira – Pedra Ferida e digo-vos que depois de fazer um caminho a subir e descer pedras onde há alturas em que não percebes muito bem se estás no caminho ou não, valeu muito a pena porque dei de caras com uma das cascatas mais bonitas que já vi na minha vida, e não, não estou a exagerar é mesmo assim bonita.

Fiquei por lá algum tempo sem falar, só a respirar, a absorver aquela beleza imensa e a energia daquela água que se fundia com as pedras, as árvores e toda uma envolvência que me trouxe automaticamente paz. Aliás paz foi o que senti todo o fim-de-semana numa zona onde em cada recanto se ouve água a correr e onde o verde é daqueles que faz o olhar vibrar.

Se vou voltar? Certamente, porque a Cerdeira com a sua equipa tão prestável e atenciosa, as suas casas amorosas e aquela serra que nos faz ficar de boca aberta a cada passo roubaram-me o coração e isso basta para ter a certeza que foi a primeira de muitas vezes na Cerdeira Home for Creativity.

 

Sugestão
Escapadinha na Quinta Olivia Turismo Rural no Gerês

RELATED POSTS

2 Comments

  1. Responder

    Sandra Nunes

    Junho 8, 2019

    Fico tão feliz por terem gostado!!! E por seguirem o conselho de ir à Pedra Ferida. Sem dúvida é meu lugar preferido 😘

    • Responder

      vânia duarte

      Junho 9, 2019

      adorámos mesmo, foi um fim-de-semana incrível e a Pedra Ferida é de uma beleza indiscritível. Vamos voltar <3

LEAVE A COMMENT

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.