Não vivas agarrada à balança, és mais do que um número.

tu és mais do que um número, não vivas agarrada à balança

A semana passada falava da balança no trabalho e dei por mim a tentar lembrar-me quando tinha sido a última vez que me tinha pesado.

Não vos consigo dizer ao certo. Mas tenho quase a certeza que foi no início do ano para ver se o Natal tinha feito estragos.

Depois disso não tenho memória de saber quando pesava. Ou como estava a minha massa gorda/massa magra. Portanto resolvi pesar-me nesse dia. Só para saber e consta que tenho 55 kilos, 22% de massa gorda e 45% de massa magra. E o que é que estes números significam para mim? Absolutamente nada.

E isto deixou-me feliz.

Porque a verdade é que eu já fui verdadeiramente obcecada com números e com balanças. E conseguir estar meses sem me lembrar que a balança existe é uma vitória para mim.

Até 2013 a minha fixação era com o peso. Tinha porque tinha de pesar 51 ou 52 quilos no máximo e quando passava desse valor começava a dar-me um fanico. E durante muitos anos foi o que pesei. Não me queiram imaginar com esse peso. Não é nada bonito.

Depois quando fiz aquela fatídica avaliação em Setembro de 2013 que acusou 29% de massa gorda, o foco mudou para outros números. E tornei-me obcecada com a minha percentagem de massa gorda e massa magra.

Comecei a ser acompanhada pela Catarina em 2013 com quem estive até Outubro de 2015. Foi com ela que aprendi a comer e em que aprendi o que era comer equilibradamente. No entanto o meu desejo por baixar constantemente mais e mais a massa gorda esteve sempre presente.

No ginásio onde andei havia uma balança extremamente avançada

Que dava as percentagens de tudo e mais qualquer coisinha. Eu comecei a pesar-me religiosamente todas as semanas sempre à mesma hora e sempre em jejum. E lembro-me que a maioria das vezes era uma angústia terrível. Eu treinava muito. Comia bem e as percentagens simplesmente não mexiam. Então entrava num buraco escuro de desespero e ficava a odiar-me cada vez mais. Para depois prometer que ia treinar ainda mais.

O auge desta obsessão como vocês sabem chegou no início de 2016. Quando fiz uma dieta muito rigorosa que me baixou a massa gorda para 15% e me trouxe não só um vazio imenso por sentir que não estava tão espectacular como eu tinha imaginado, como acima de tudo me trouxe muitos distúrbios hormonais e graves crises de compulsões. Que culminaram aqui no meu assumir que tinha efectivamente falhado nesta coisa do ser saudável depois de 3 anos no bom caminho.

Foi um despojar de armas. Um abrir o coração e assumir que  estava efectivamente fora de controlo. E que precisava de mudar a forma como eu encarava a balança. Muitas pessoas perguntam-me o que fiz para me voltar a reencontrar. Sem dúvida que um dos maiores passos foi deixar de me pesar. Porque pesar-me na maioria das vezes fazia-me sentir mais mal do que bem. E o alívio que sinto hoje em dia por não viver neste controlo brutal a que me submeti durante anos, é mil vezes mais importante do que um número.

O triste é que esta minha obsessão

Parece ser efectivamente a nova obsessão do mundo fitness. E uma das coisas que mais me inspirou a fazer este post, é ver regularmente nas redes sociais, imensas raparigas completamente de rastos porque a máquina do ginásio não lhes mostra os resultados que elas tanto esperam. E ver estas pessoas tão em baixo. Tão sem chão por causa de números fez-me relembrar os meus próprios sentimentos.

Não acham que é tão triste basear os nossos resultados em máquinas que são extremamente falíveis? Sabiam que se tiverem pouco hidratados os resultados da máquina são diferentes do que se tiverem hidratados? Sabiam que se tiverem bebido café 24h antes os resultados são diferentes? Sabiam que a máquina varia consoante se estão em jejum ou não? Sabiam que na maioria dos casos as máquinas de ginásio estão por defeito pre-definidas para um padrão e se vocês não a definirem correctamente os valores são diferentes?

Então se este tipo de coisa é tão variável porque raio temos de nos deixar absorver por estes números que não passam disso mesmo números.

É óbvio que é importante controlarmos a nossa composição corporal. Mas não acham que tirar fotografias e ir comparando ao longo do tempo a evolução é muito mais fiável do que uma maquina que depende de mil e um factores?

Porque o que eu vejo por aí é exactamente aquilo que eu também senti, que é insatisfação constante.

Uma das coisas que mais me fez abrir os olhos foi que ao atingir aqueles 15% continuei a sentir-me bastante insatisfeita e quis baixar mais. Foi exactamente aqui que entendi, por mais que eu baixasse nunca iria estar feliz. Pois tal como anos antes eu era a doida do peso e tinha um medo terrível de passar dos 52 quilos, naquele momento eu estava com a percentagem de gordura mais baixa de sempre e mesmo assim senti-me vazia.

A grande verdade, é que eu passei a estar efectivamente mais tranquila comigo mesma, quando deixei de me pesar todas as semanas. E acredito que a maioria das pessoas teria mais a ganhar se conseguisse perceber onde termina a linha do razoável relativamente aos números.

Porque sim, se tens excesso de peso e precisas de o perder a balança é efectivamente uma boa ajuda para medires o teu progresso. Mas quando chegas ao teu objectivo e não consegues ficar feliz a balança pode tornar-se a tua pior inimiga. E tu passas a  resumir a tua vida a números.

E não são os números que te definem.

Não são os números que dizem se treinas bem ou mal. E acima de tudo não são os números que te vão dar felicidade. És tu e o teu esforço. És tu e a tua vontade de mudar. De seres melhor. Mais saudável, mais forte e mais capaz que te definem como ser humano. És tu que tens de definir o teu caminho e o teu sucesso. E não uma máquina qualquer.

Esquece os números. Tira-os da base diária da tua vida. Podes usá-los como ajuda mas não te deixes engolir por eles. Foca-te em ti. E acima de tudo não deixes que uma balança te estrague o orgulho que é levantares-te da cama todos os dias cedo para ires treinar quando todos dormem. Ou saíres do trabalho com vontade de ir para o sofá. Mas decides não falhar um treino quando o resto do mundo opta pelo mais fácil.

Isto a balança não mede nem pesa. Mas no final de contas é efectivamente aquilo que decides fazer por ti todos os dias que realmente de define.

RELATED POSTS

4 Comments

  1. Responder

    ana aguiar

    Julho 31, 2017

    Olá!
    Eu peso me todos os dias de manha! ;)..mas realmente é um stress…fico triste quando vejo que nao abusei em nada e a balanca no dia seguinte aumenta mais 400gr…depois desce de novo…ainda ali, para cima e para baixo…lol

    • Responder

      vânia duarte

      Julho 31, 2017

      pesares-te todos os dias não é efectivamente saudável nem tão pouco te permite ter verdadeira noção se estás ou não a ter progresso. Ninguém emagrece ou engorda de um dia para o outro e esse tipo de oscilações acaba por ter mais a ver com retenção de liquidos ou até prisão de ventre. Portanto ao estares a pesar-te todos os dias nunca tens noção se efectivamente estás a progredir ou não. E ainda por cima se te causa stress, acho mesmo que não vale a pena sujeitares-te a isso.

  2. Responder

    Claudia - Mulher XL

    Agosto 1, 2017

    É isto! Não, os números não definem. E muitas vezes a obsessão que temos com o peso, a gordura, a forma corporal e todos os “defeitozinhos” (celulite, estrias) são menos saudável do que ter uns kilos a mais mas saber que se tem um estilo de vida saudável e livre de complexos! Tanto nossos como dos outros… 🙂

    http://www.mulherxl.pt

    • Responder

      vânia duarte

      Agosto 4, 2017

      é mesmo mesmo isso claudia, ser obcecada com números e ver constantemente defeitos acaba por ser muito mais tóxico do que ter umas estrias ou celulite que fazem parte da nossa história. Claro que podemos procurar melhorar mas se isso implicar ficar dependente de uma balança já deixa de ser cuidar de nós para passar a ser punição. beijinho.

LEAVE A COMMENT