Este amor que me tenho já ninguém me tira

emagrecer com saúde e o poder de superação do nosso corpo

Eu nunca gostei de mim essa é a mais pura das verdades. Sempre fui muito critica em relação ao meu corpo mesmo quando já não tinha excesso de peso. E inclusive quando estive abaixo de um peso saudável. Sempre me vi como na primeira foto. Sempre me vi gordinha. Com pouca auto-estima e com medo de me fazer notar. Com medo que alguém reparasse que a gorda estava ali e viesse gozar comigo.

 

O facto de não gostar de mim fazia com que as aulas de ginástica fossem uma tortura.

Sim eu gostava de educação física e até tinha jeito para jogar à bola. Mas tudo o que metesse pinos, rodas e cambalhotas deixava-me desconfortável. E apesar de eu nunca passar cá para fora estes medos, tinha efectivamente pânico das aulas de ginástica. Sempre me senti frustrada de não conseguir fazer o pino. Primeiro porque como vos falei neste post, eu caí quando era miúda. Magoei-me e fiquei com um grande trauma. E depois porque com o peso que comecei a ganhar na adolescência ter de suportar o peso do meu corpo era muito complicado. Os pulsos doíam muito. Eu não tinha elasticidade nenhuma e também não era lá muito ágil por isso as aulas de ginástica sempre me deixaram muito triste.

Chorei muito em casa por causa das aulas de ginástica.

Chorei às escondidas sem ninguém saber. Afaguei muitas mágoas num diário que usava para desabafar sobre um peso que eu não queria ter. Que me fazia infeliz. Chorei e escondi estes sentimentos durante demasiado tempo, porque no fundo tudo o que eu não queria era que tivessem pena de mim. Por isso durante muitos anos guardei para mim e para a minha bulimia os meus medos.

Passaram-se muitos anos. Muitas dietas, muitos altos e muitos baixos. Muitos momentos em que senti que estava no caminho certo e muitos outros em que olhei para isto tudo com um ódio tremendo. Em que me comparei, em que me perguntei porque funcionava com os outros e comigo não. Passaram muitos anos até eu decidir que estava cansada de lutar contra mim mesma. Até eu decidir que tinha chegado a minha altura.

E foi este baixar de armas que me trouxe ao longo do último ano toda esta certeza que nós somos capazes do que quisermos.

Não, eu não perdi a maior parte do meu peso o ano passado. Esse perdeu-se maioritariamente com uma bulimia que me arrasou e posteriormente com reeducação alimentar. Mas perdi o medo de me olhar com olhos de ver e perceber que eu sou muito mais do que aquilo que me fazia valer. Perdi as ideias utópicas que só seria feliz com determinado corpo. Perdi o medo de admitir que vivia agarrada às compulsões porque sempre me vi como a menina gordinha com medo de falhar nas aulas de ginástica. E acima de tudo perdi o medo de admitir que falhar faz parte.

Chegar até aqui trouxe-me a leveza de perceber que é quando menos procuras algo que acabas por encontrar. E eu ao longo deste ano encontrei uma pessoa pela qual me apaixonei perdidamente. Uma pessoa que passou de não conseguir fazer o pino numa parede porque sentia dores terríveis ao carregar o peso nos pulsos, para uma pessoa que pela primeira vez na vida fez um pino sem apoio de parede e não caiu.

Alcançar isto mostrou-me o poder de superação do nosso corpo. E mostrou-me também que somos efectivamente capazes de mover o mundo, quando conseguimos amarmo-nos verdadeiramente.

 

E não é futilidade dizer alto e bom som que gostamos de nós. Da mesma forma que não é futilidade eu admitir que hoje em dia sou muito mais feliz do que quando tinha 30 kilos a mais ou 5 kilos a menos. E que tenho a certeza absoluta que não quero voltar a estar em nenhum dos lados.

 

Eu não sou perfeita, nem sou mais especial do que tu.

Continuo com medos. Continuo com anseios e tenho dias menos bons. Mas o que tenho aprendido ao longo do tempo é a não dar importância aos momentos maus que posso vir a ter. Porque é efectivamente quanto te deixas levar que sobes de nível. E se há coisa que afirmo com orgulho é que o amor que tenho por este corpo saudável e nutrido já ninguém me tira. Isso…e o pino sem parede.

RELATED POSTS

5 Comments

  1. Responder

    Cátia Rodrigues

    Maio 29, 2017

    Admiro tanto a tua força de vontade! És linda <3
    THE PINK ELEPHANT SHOE // GANHA UM MEGA CABAZ DE VERÃO

  2. Responder

    The Brunette's Tofu

    Maio 29, 2017

    Se soubesses de como tenho medo de fazer o pino sem ser de cabeça. E de parede, pior ainda. Não sei bem qual é o medo inerente, mas é um tipo de medo, certamente.

    E felizmente também eu aprendi a gostar de mim outra vez <3 E é ao conhecer, inesperadamente (ou não) pessoas como tu que esse aprender se torna constante e nos motiva (e inspira).

    Beijinho

    The Brunette's TofuInstagram

  3. Responder

    m-M

    Maio 30, 2017

    <3

  4. Responder

    Daniela

    Maio 30, 2017

    Admiro muito a tua força de vontade Vânia! Acho que és uma inspiração para qualquer pessoa, parabéns por isso.:D

    Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

  5. Responder

    Cátia Ramos

    Junho 17, 2017

    Descobri hoje o blog e identifiquei-me bastante com este teu post. Também eu via as aulas de ginástica como uma tortura e aprendi a gostar de mim. Admiro bastante a tua força de vontade 🙂 um grande beijinho

LEAVE A COMMENT