O Feminismo começa em ti própria

Mulheres e corpo, corpo e mulheres, esta é provavelmente uma das maiores batalhas de sempre e não há uma única mulher que em algum tempo da sua vida, não se tenha olhado ao espelho e se tenha achado a “coisa” mais horrível à face da terra, totalmente cheia de defeitos e constantemente a especular o porquê de não ter os abdominais da Gabriela Pugliesi, a cara da Sara Sampaio e as pernas da Iza Goulart. 
É, nós somos assim, seres insatisfeitos, seres que conseguem ver mais defeitos em nós próprias em 1 hora do que 10 pessoas num dia inteiro e acima de tudo temos a capacidade de estarmo-nos constantemente a comparar à vizinha do lado, como se a vizinha fosse a última coca-cola do deserto sem qualquer tipo de defeitos. O problema é que nós somos também, as primeiras a apontar o dedo quando alguém como por exemplo a brutalíssima Lady Gaga faz uma actuação maravilhosa e está ali com uma barriguinha minúscula que provavelmente até é dos calções estarem justos e cai-lhe o carmo e a trindade porque está fora de forma.
Fora de forma really, com uma actuação brilhante da super bowl, queria ver-vos durante 13 minutos a cantar e a dançar naquele nível? Mas vamos continuar e já voltamos a esta parte da Lady Gaga….
Eu entendo esta coisa da frustração corporal, porque grande parte da minha vida fui assim, aliás a bem dizer acho que só depois de ter ido novamente ao fundo o ano passado com o regresso das compulsões e ter decidido dar um basta em toda esta obsessão com o corpo é que efectivamente passei a aceitar-me e a olhar para mim com olhos de quem gosta do que vê.  Se acho que sou uma Gisele Bundechen? Óbvio que não, mas olho para mim e consigo ver que este é um corpo forte e nutrido, que treina bem, que é capaz de levantar 100 kilos do chão da mesma forma que é capaz de fazer double unders (saltos duplos de corda) com uma perna às costas e que acorda todos os dias às 06 da manhã para se tornar ainda melhor,  então tenho de ter orgulho no que consigo fazer com este corpo. 
Mas como vos digo eu entendo isto de nos odiarmos profundamente e de ficarmos a babar no Instagram, miúdas perfeitas, com corpos lindos, com barrigas lisas e prometermos a nós próprias que a partir de segunda vamos comer melhor e vamos treinar como verdadeiras atletas #semfalhas, #nopainnogain e todas essas hastags que servem para mostrar o quanto somos dedicadas. 
Não há mal em termos ambições, não há mal em querermos melhorar o nosso corpo e trabalharmos para isso, mas hoje em dia a linha entre o querer melhorar e a cegueira visual e de espírito é muito ténue e as pessoas vivem completamente obcecadas por utopias, por corpos que ou por serem completamente diferentes da sua estrutura física ou porque simplesmente há pessoas que são pagas para treinar e têm todo o tempo do mundo / cozinheiros / personal trainers / massagens/ e todo o livre acesso a coisas que nós comuns mortais não temos – porque há toda uma vida para gerir – que provocam esta insatisfação em quem os segue religiosamente. 
Eu adoro comer bem e treinar para me sentir mais forte, mas cada vez mais percebo que esta onda do fitness anda a ficar demasiado estranha e as pessoas falam de mais, opinam de mais e sobretudo equiparam-se de mais, esquecendo-se que todos os corpos são diferentes e que o que para mim pode ser mais rápido a alcançar para ti por inúmeras razões não é, e isso não significa que foste mais fraca.
Para além disso há claro uma coisa muito importante e que se chama postura, luz, filtros e que há truques para parecer que temos um rabo maior ou uns abdominais muito mais secos do que realmente são, a própria Gabriela que tem um corpo que a maioria das pessoas entende como Santo Graal já admitiu que edita as fotos para ficarem melhores, acham mesmo que a comum dos mortais não faz o mesmo? Oram vejam lá as primeiras fotos deste post. 
A nível de edição só lhes coloquei um filtro, mas conseguem perceber a diferença de postura? Conseguem ver que se eu me colocar de lado com uma perna mais à frente do que outra, empinar o rabo e respirar fundo durante 5 segundos rezando para que o pulmão não expluda parece que sou muito mais seca e rabuda do que realmente sou? 
E não, eu não estou a dizer que tenho barriga porque não tenho, mas obviamente que se estiver numa posição mais relaxada o aspecto é totalmente diferente. Agora façam um pequeno exercício, vão ao Instagram e vejam lá se a maioria das raparigas que seguem não tira fotos exactamente nesta primeira posição? Pois é, vão perceber que são muitas. São truques, porque ninguém é seco e definido 24h por dia. 
A verdade é que dei por mim a pensar muito neste post e percebi que efectivamente atingi uma maturidade e uma serenidade comigo própria que me permitiram partilhar isto sem vergonhas e se fosse há um ano atrás eu nunca faria isto, o que me mostra que efectivamente eu cresci e aceitei-me exactamente como sou porque caramba….

Eu não tenho de ter vergonha de nada

eu já tive 80 kilos e agora tenho 54, eu já tive um verdadeiro pneu Michellin e agora tenho uma barriga bonita. Se é lisa, com abdominais a saltarem como se fossem um tanque da roupa, não claro que não mas é a minha barriga que durante muitos anos viveu escondida por um monte de gordura e que agora pode finalmente respirar. 
Sim quando eu me sento eu tenho dobras, tenho porque não sou um boneco de cera e porque são marcas daquilo que eu já fui antes, tal como as estrias que tenho nas pernas e alguma celulite mas isso não faz de mim menos mulher ou menos capaz do que qualquer uma das fitness goals que andam por ai. Uma das coisas que sempre odiei em mim foi a minha anca porque a tenho larga, é de família, a mãe é assim, a avó era assim, somos mulheres de anca larga e eu sempre chorei a querer uma anca minúscula mas a menos que vá à faca dificilmente isso irá acontecer, portanto o que faço eu?
Mantenho uma alimentação equilibrada, aceito que posso diminuir uns quantos centímetros mas nunca chegarei a ter a anca da Pugliesi e treino para me tornar mais forte ou continuo a odiar este corpo saudável, que me permite ter uma vida boa?
Muito se fala do feminismo, deste dar mais força às mulheres e eu sou totalmente a favor disto, mas acredito que para sermos verdadeiras feministas, para defendermos os valores que precisamos de defender precisamos de nos defender a nós primeiro, precisamos de nos aceitar, de nos amar mais e de parar de nos julgar tanto, porque a verdade é que enquanto não tivermos a força para aceitar que nós somos mais do que aquela dobrinha quando nos sentamos, vamos continuar exactamente no ponto em que uma mulher extraordinária dá um espectáculo incrível e somos nós mulheres, as primeiras a apontar o dedo a uma pseudo barriga fora de forma.

E o mundo minhas amigas precisa de mais feministas cheias de amor próprio. 

Feliz dia da Mulher

RELATED POSTS

12 Comments

  1. Responder

    Miss L

    Março 8, 2017

    Olaaa!
    Que post lindo!
    Verdade, somos escravas do corpo…

    Beijokitaz

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Março 19, 2017

      obrigada 🙂 beijinhos

  2. Responder

    A Pa-trícia

    Março 8, 2017

    É um grande passo aceitarmos o nosso corpo como ele é e conseguirmos ser felizes. Muitas mulheres só vêm o corpo perfeito à frente enquanto que o mais importante é ser saudável e ter um equilibro. O corpo não tem de ser perfeito, apenas temos de gostar dele 🙂

    Beijinhos*
    A Pa-trícia

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Março 19, 2017

      é mesmo isso patricia 🙂

  3. Responder

    Dianinha Gomes

    Março 8, 2017

    Vânia se te visse agora dava-te um abraço gigantesco por teres escrito isto e gostava que muita gente pudesse ler e interiorizar verdadeiramente as tuas palavras. Tu és claramente uma Mulher muito poderosa e inspiradora e cada dia que passa mais prazer dá ler tudo o que partilhas. E mesmo que olhe para ti e pense "bolas esta miúda tem um corpo fenomenal" acho que é uma chamada de atenção genial para o que se partilha pela internet. beijinhos

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Março 19, 2017

      oh diana obrigada por estas palavras, fiquei de coração cheio 🙂

  4. Responder

    Bárbara Lopes

    Março 10, 2017

    Adoro a coragem e frontalidade que tens para mostrar essa comparação de fotos. Tens um corpo incrível e, realmente, só tens de sentir orgulho no que construíste até aqui. Eu gostava de perder peso, mas não me comparo a ninguém. Gostava para me sentir melhor comigo mesma, para gostar mais do meu corpo – sim, do meu corpo e não de mim – porque de mim eu já gosto muito. Gostava de perder peso não para ficar igual a ninguém mas para me sentir mais confiante, para não me sentir constrangida na praia e não ter vontade de abdicar desses pequenos momentos de prazer.

    Acho que temos de gostar de nós para nos possibilitarmos a ter uma mudança que nos faz gostar ainda mais. E, no meio de tudo, o mais importante é que, apesar de termos uma gordura aqui, de vestirmos um quarenta ou dos nossos braços serem flácidos, temos saúde que nos permite mudar isso tudo – ao contrário de muitas outras pessoas.

    Adorei o teu testemunho.
    Parabéns!

    http://anetadaluisa.blogs.sapo.pt/

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Março 19, 2017

      sabes vivi praticamente toda a minha vida em dieta e com desejos loucos do corpo xpto, mas foi exactamente a partir do momento em que decidi que tinha de gostar primeiro de mim pelo que já tinha alcançado que surpreendentemente o meu corpo acabou por me dar excelentes surpresas.

      acho que no fundo a partir do momento em que deixei de colocar tanta pressão em cima de mim o meu corpo libertou-se e hoje amo efectivamente aquilo que consegui 🙂

      beijinhos e obrigada

  5. Responder

    Experiências e Constatações

    Março 13, 2017

    A sociedade em geral criou uma obsessão por dietas, obsessão por magreza, obsessão por não ter um grama de gordura.
    Isso nem faz sentido.
    Ser saudável sim. Ser forte também. Extremos e obsessões não. Há que olhar até para a constituição de cada um, para o que será natural, entre outros factores. Há material sobre isto.

    Pessoalmente: não quero saber dos padrões que a sociedade achou que devia impor. Gosto do que vejo no espelho e isso é o que importa. Com dobras sim.

    O teu texto é muito relevante nos dias que correm.
    E se a Lady Gaga está fora de forma… eu nem comento. Como é que é possível alguém ter dito tal disparate! Deve ser melhor ver as costelas todas e ossos quase a furarem a pele como nas passereles…

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Março 19, 2017

      o que mais me incomoda é que são as mulheres que tanto querem igualdades as primeiras a apontar o dedo quando alguma coisa na visão delas não está correcta e isto num mundo que grita por Feminismo acaba por não ser coerente. beijinhos

  6. Responder

    The Brunette's Tofu

    Março 13, 2017

    És linda! ❤️❤️

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Março 19, 2017

      obrigada babe 🙂

LEAVE A COMMENT