Memórias de uma ex-gorda

Há uns tempos atrás falava com uma grande amiga minha, aquela que é a minha amiga mais antiga e ela disse-me que não se lembrava de mim gorda e que para ela eu sempre fui assim. Achei aquela visão bem romântica e apeteceu-me apertar-lhe as bochechas por ter sido fofinha, e mesmo depois lhe ter mostrado algumas fotos minhas para lhe reavivar a memória ela disse: “Caramba estavas mesmo mais gorda mas eu não me lembro nada de ti assim”.
Sejamos sinceros, eu nunca fui a típica gorda desde sempre. Em miúda eu era mesmo muito magra, um pau com pernas e braços por assim dizer, que sempre comeu mal e sempre foi muito desengonçada, por causa disso chamavam-me muitas vezes Olívia Palito. Entretanto comecei a crescer, e com a chegada do lindo momento chamado menstruação, veio uma praga de borbulhas que se instalaram na minha testa e a minha alcunha passou a ser cratera e foi exactamente aqui que eu comecei a engordar.

A questão é que eu não engordei de um momento para o outro.

Não estava com 50 kilos num dia e no dia a seguir com 79 (peso máximo), foi uma coisa que se foi instalando com os anos. Como eu sempre fui muito maria rapaz, jogava muito à bola e vestia roupas muito largas que escondiam o meu corpo, para além disso o meu interesse por rapazes aconteceu muito tarde portanto eu nunca fui olhada como uma miúda interessante para namorar e como eu encarava os rapazes como bons parceiros de futebol acabava por não me importar com o meu físico.
Acredito também que o facto de, apesar de ter excesso de peso sempre ter sido óptima a educação física (tirando a ginástica onde era uma verdadeira nulidade e onde sentia mesmo vergonha) acabou por fazer com que as pessoas olhassem mais para mim como o patinho feio que jogava mesmo bem futebol do que como a gorda que ali vai a passar. 
O problema é que as pessoas crescem e tornam-se maldosas e foi quando passei para o Liceu que tudo mudou, foi ai que pela primeira vez da minha vida senti a maldade na pele, como já contei aqui, e foi nesse exacto momento que ao tomar consciência do meu físico comecei a sofrer de Bulimia. 
Ouvir o que a minha grande amiga me disse deixou-me de coração cheio e ao mesmo tempo com raiva, não dela mas deste mundinho que consegue ser nojento às vezes. Porque a verdade é que esta amiga, que está na minha vida há 26 anos nunca se importou se eu tinha um pneu Michelin à volta ou não, nunca me achou menos pessoa porque eu tinha 20 kilos a mais do que ela, mas bastou um comentário de duas pessoas que eram apenas duas colegas de turma para virarem todo o meu mundo do avesso, para me fazerem mergulhar numa doença triste e numa obsessão doentia pelo corpo. 

E porque é que isto é importante?

Porque diariamente somos julgados pela nossa aparência, há uma pressão gigante nos dias de hoje para se ser o melhor em tudo, e se antigamente a pressão era de se ser magro quase esqueleto, hoje em dia a pressão é para se ir ao ginásio todos os dias, ter o melhor abdominal, ter o rabo mais seco da galáxia, comer sempre bem e nunca dizer que ouve ali um dia em que se enfardou pizza até doer a barriga e acima de tudo hoje em dia todas as pessoas acham-se no direito de opinar sobre tudo.
Ok, podem dizer que se nos expomos acabamos por poder vir a sofrer comentários, mas como em tudo na vida há formas de se dizerem as coisas, e o importante é as pessoas entenderem que por mais que alguém se exponha seja num blogue, ou noutro sítio qualquer, aquela pessoa que está ali tem sentimentos e nós não sabemos como poderá vir a lidar com certo tipo de criticas porque não somos amigos dela, porque não convivemos com ela diariamente e porque acima de tudo não podemos achar que temos o direito de opinar sobre tudo só porque sim, especialmente com más intenções.
Há uns meses atrás eu escrevi este post sobre opiniões, e se hoje em dia estou num processo de maior aceitação comigo própria e já não me abalo tão facilmente, sei também que há por ai muitas pessoas no patamar onde já estive que acabam por dar ouvidos a quem não interessa e a verdade é que a internet veio permitir uma coisa muito asquerosa mas tão fácil que é o Bullying virtual, o bullying sem cara,  que se esconde por trás de um ecrã onde é rei, onde consegue ser o maior mauzão da história e onde a maldade impera. 
Enfim esta é uma temática muito complicada, mas o importante a reter é que as pessoas são mais do que um número numa balança e se tens pessoas que conseguem olhar para ti da forma mais pura que uma amizade consegue ser, são essas pessoas que tens de manter, são essas as pessoas porque vale a pena lutar e quem sabe até mudar, são essas que merecem mesmo a pena serem ouvidas e que se te disserem que até podias tentar emagrecer é porque se preocupam mesmo contigo, são essas acima de tudo que vão ficar para sempre nas tuas memórias.
O resto entra para aquela gaveta, onde a tua mãe tem umas calças tuas tamanho 46 que já nem te lembravas que tinhas e acima de tudo, que já não te lembravas que alguma vez as vestiste, mas que de vez em quando é bom relembrar para saberes que já estiveste ali e que não queres voltar aquele número nem a dar ouvidos aquelas vozes. 

RELATED POSTS

11 Comments

  1. Responder

    Chocodependente

    Novembro 7, 2016

    Olá Vânia!
    Antes de mais, sigo o teu blogue há algum tempo e temos muito em comum. Também o meu peso máximo foi 79kg, tinha também essa relação com os rapazes (era maria-rapaz) e acabei por me perder nos mesmos vícios que os teus. O mal é que durante a adolescência damos muita importância aos outros, e o que os outros noz dizem tem muita influência na nossa auto-estima.
    Fico contente por estares melhor. Eu também estou a fazer por isso.

    Beijinhos

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Novembro 8, 2016

      é verdade na adolescencia estamos muito susceptiveis ao que os outros nos dizem talvez porque achemos que temos sempre alguma coisa a provar. beijinhos grandes para ti

  2. Responder

    Joana

    Novembro 7, 2016

    Há pessoas muito más mas com o amor da família, dos amigos e acima de tudo o amor próprio vencem sempre. Gostei do relato. Beijinho

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Novembro 8, 2016

      sim o mais importante é termos mesmo à nossa volta pessoas que nos amem a sério 🙂

  3. Responder

    Diogo Marques

    Novembro 7, 2016

    Parabéns Vânia! Que mudança……

    Diogo Marques
    Blog: A culpa é das bolachas! | Facebook | Instagram | Zomato

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Novembro 8, 2016

      obrigada diogo 🙂

  4. Responder

    Flicker

    Novembro 8, 2016

    Es mais forte do que aquilo que pensas, ja te disse isso varias vezes e continuarei a dizer. Tu vences tudo aquilo a que te propoes!
    De facto, a adolescencia e' uma altura bem parva da vida, mas necessaria. E' necessario perceber, batendo com a cabeca nas paredes, que devemos apenas reter as opinioes e conselhos das pessoas que realmente interessam. As outras… bem as outras sao paisagem, ou muitas vezes nem a isso chegam.
    Orgulho em ti 😉

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Novembro 13, 2016

      sim a idade vai-nos dando sabedoria, e ter pessoas que gostam mesmo de nós ajuda muito 🙂

  5. Responder

    Miya

    Novembro 13, 2016

    muitos parabéns vânia a tua evolução é maravilhosa, estou mesmo de boca aberta.

  6. Responder

    lollytasteblogvania

    Novembro 13, 2016

    muito obrigada 🙂

  7. Responder

    Raquel Dias da Silva

    Dezembro 11, 2016

    Olá gostei muito de ler este teu post! O meu último post no meu blogue foi a contar a minha experiência como "pau de virar tropas" como se costuma dizer. Fico feliz por agora estares bem contigo mesma 🙂

LEAVE A COMMENT