O primeiro

Estávamos em Junho de 2011, ele tinha regressado de vez a Portugal depois de 3 meses a trabalhar em ParisVivíamos há pouco tempo juntos, quando ele partiu para Paris por isso o regresso era mais do que esperado, e fomos então sair para celebrar. Chegámos a casa vindos de uma festa com amigos, seriam talvez 6/7 da manhã, despir, não tirar a maquilhagem porque aos 25 ainda não nos preocupamos muito com isso, deitar fechar os olhos e embalar num sono profundo de quem tem as pernas cansadas de uma noite cheia de dança.
8 da manhã, acordo de repente. O corpo começa a tremer aos poucos, não ligo acho que é frio apesar de estarmos no verão e enrosco-me nele, mas a temperatura começa a baixar e os tremores aumentam. Sinto que o coração esta rápido, mais rápido do que o normal é assusto-me. Levanto-me da cama, vou beber água, ele já dorme, sinto as mãos suadas mas o corpo não para de tremer, sinto uma dor, uma dor muito forte no lado esquerdo, o meu braço está dormente, a dor cada vez mais forte, todos nós sabemos o que isto é, nos filmes, na net em todo o lado é assim que começa, corro para o quarto grito por ajuda enquanto o meu corpo está cada vez mais descontrolado. 
Vamos para o hospital, ele olha para mim assustado, eu estava bem quando chegámos a casa e agora queixo-me que me dói muito o peito, ele voa. Não sei o que se passa comigo, sei que sinto angústia, sei que sinto desespero por não ter qualquer tipo de controlo sobre o meu corpo e acima de tudo sem saber o porque de estar assim.
Dou entrada muito rápido nas urgências, depois de umas breves perguntas tudo apontava para o início de um ataque cardíaco, a tensão estava alta por isso começaram a fazer exames mas em pouco tempo perceberam que nada se passava com o meu coração.
Voltei até ao médico que me perguntou se quando aquilo começou eu estava nervosa. Disse-lhe que não, que estava a dormir quando comecei a ter aqueles sintomas, ele disse-me que eu devia andar stressada, receitou-me uns comprimidos para baixar os batimentos cardíacos caso voltasse a acontecer e mandou-me para casa sem mais nenhuma explicação.
Sai do hospital completamente zonza, ele cá fora esperava por mim com um olhar de medo mas ao ver que estava tudo bem o alívio instalou-se e seguimos para a nossa casa para finalmente descansar.
Lembro-me que ia no carro, zonza da medicação que me deram, estava contente por não ter sido nada mas no fundo, no meu mais íntimo eu sabia que alguma coisa não estava bem comigo, sabia que efectivamente alguma coisa se tinha passado,  só não sabia que nome dar-lhe…não sabia e demorei a saber que tinha tido o meu primeiro ataque de pânico. 
Agosto 17, 2016
Agosto 19, 2016

RELATED POSTS

2 Comments

  1. Responder

    Flicker

    Agosto 18, 2016

    Lembro-me bem desse episodio! No entanto, como sempre te prometi e cumprirei, estarei sempre ca para os bons e maus momentos! Nunca teras que ultrapassar nada sozinha.
    A acrescentar, digo-te algo que tu ja sabes: es uma princesa guerreira!

  2. Responder

    Tsuri

    Agosto 19, 2016

    Agora já consegues tu mesmo, controlar tudo! Sabes bem que o teu poder é maior!
    Sei bem, como tu sabes, qual a sensação!
    Gostava que nenhuma de nós passasse mais por nenhum episódio semelhante na vida, mas desejo que, acima de tudo, se seja possível de superar cada um deles!
    Um grande beijinho de força

LEAVE A COMMENT