Dos textos que nos fazem sentido

Há dias em que estamos na internet e
esbarramos com aqueles posts em que depois de ler dizemos: – caramba é
tão isto.
Aconteceu-me isso esta semana, quando
li este post que a Inês escreveu.
Já sigo o blogue há muito tempo
e por conhecer a Inês há alguns anos (fora deste mundo) sei que a
pessoa que escreveu isto pensa realmente assim, não só porque tem
um background muito forte na área da moda mas essencialmente porque sempre
teve o seu estilo pessoal muito vincado.
E a Inês entre tanta coisa acertada, foca um ponto essencial – o que dá para um não tem de dar para o outro. Somos
pessoas diferentes, com personalidades e características tão
pessoais que sempre me fez confusão as supostas listas de peças
essenciais a ter num guarda-roupa, e acima de tudo ver meio mundo a
acenar com a cabeça que tem mesmo de ter aquilo.
Um exemplo prático desse tipo de
listas que vejo são os trench-coats, caramba se não há listinha
seja de Inverno ou Verão que não espetem lá com o casaco e eu que
já experimentei uma vez e fiquei a sentir-me uma velhinha, sempre
achei que definitivamente a minha pessoa e aquele casaco não
tínhamos nada a ver. A minha vida seguiu sem problema e portanto eu sou uma dessas pessoas pecaminosas, que não tem um trench-coat a apanhar pó no armário. 
A questão aqui não é dizer que nunca
se irá usar algo, pois a vida muda, a nossa forma de ver a roupa
também e o que agora nos parece mal, daqui a uns anos pode fazer
todo o sentido, o que faz confusão é saber claramente que aquilo
que nos aconselham não assenta minimamente na pessoa que somos
naquele momento e mesmo assim se comprar, só porque dizem que aquilo é a última coca-cola do deserto. Não há mal nenhum em assumir que não nos identificamos com o que dizem estar na moda, mostra personalidade e conhecimento sobre nós próprios, mostra acima de tudo que temos uma palavra a dizer numa altura onde é tão fácil tornarmo-nos cópias uns dos outros.
Sinto que quando toca a moda e neste
universo onde temos sempre tão fácil acesso a tudo, as pessoas
ficam cegas, elegem os seus heróis e tornam-se clones daquilo que
gostam de ver no outro, anulando-se a si próprias.
Pior do que isto, faz-me confusão que
se façam listas, que se dite que é aquilo que todos devemos ter,
tal como se fosse uma receita certeira para o sucesso. Associo este
tipo de listas às constipações que costumamos ter no Inverno e
alguém muito sabido nos aconselha medicamento x porque é
espectacular e depois de alguns dias damos connosco no hospital com
gripe à séria porque a coisa não resultou.
Enfim, não tenho por hábito falar
destes assuntos, até porque não sou certamente a pessoa com mais
estilo à face da terra, nem com conhecimentos para saber se aquele
casaco está na moda ou não, mas quando li aquele texto de manhã,
lembrei-me do raio do trench-coat e saiu-me um sentido:

Ámen Sister!

RELATED POSTS

12 Comments

  1. Responder

    Karina sem acento

    Janeiro 16, 2014

    Opah, é que é mesmo isto! É como quando oiço alguém faz comentários do género "compraste isso, fizeste bem! Está na moda!". Há gente que ainda não percebeu que eu não compro as coisas só por estarem na moda, mas sim porque eu gosto, porque têm a ver comigo e por achar que me fica bem. Caso contrário, bem que podem estar na moda mas eu não chego nem perto. Não acho piada nenhuma a esta história toda de "maria-vá-com-as-outras". Portanto: Ámen Sister! Aleluia!

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Janeiro 16, 2014

      o que mais me agradou foi ver que no meio deste mundo que as vezes se trna tãooo aborrecido, há gente com bom conteudo a falar destes assuntos sem cair na ofensa.

  2. Responder

    Junto à Janela

    Janeiro 16, 2014

    Confesso que não gostava de moda. Sempre fui criticada por aquilo que vestia porque não era a última tendência. Gosto de um estilo clássico com um toque diferenciador.
    Gosto de saber o que se usa mas principalmente gosto da mentalidade atual de que a moda é o que fazemos dela, a nossa cara, a nossa personalidade.
    Porque não podia ser uma arte diferente sem nos deixarmos exprimir na totalidade.
    Não tenho imensas coisas consideradas básicas nas ditas listas mas não estou minimamente preocupada.

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Janeiro 16, 2014

      sei bem o que é ser criticada pelo que vestimos, quando era mais nova foi o pão nosso de cada dia porque como a minha mãe não tinha muito dinheiro as minhas roupas eram simples e sem marcas, um horror para muita gente mesquinha.

  3. Responder

    melody

    Janeiro 16, 2014

    Se aplaudo o texto da Inês, ainda aplaudo mais o teu. Muito bem escrito Vânia! 🙂

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Janeiro 16, 2014

      obrigada mafalda <3

  4. Responder

    S*

    Janeiro 16, 2014

    Há coisas que são claro mau gosto… mas, de resto, cada um decide a sua vida!!

  5. Responder

    Vanessa

    Janeiro 17, 2014

    O que eu acho é que devias escrever mais sobre estes assuntos, porque como sabes tenho a mesma opinião. Conhecendo bem a Inês como conheço, e principalmente (tal como tu referes), fora deste mundo, sei que ela é viciada em moda e beleza, mas que é daquelas pessoas que tem cabeça e não fala das coisas só porque sim. Além de ter formação na área, não nos espeta apenas com imagens dos últimos desfiles, mas também é capaz de escrever textos como este. As pessoas hoje em dia usam tudo o que é suposto e nem se apercebem que assim nunca vão ter um estilo próprio, tornando-se apenas em simples bonecos, todas de igual.

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Janeiro 20, 2014

      🙂

  6. Responder

    IM

    Janeiro 19, 2014

    obrigada vânia! 🙂 até fiquei emocionada com este texto! obrigada, obrigada, um grande beijinho com saudades*

    • Responder

      lollytasteblogvania

      Janeiro 20, 2014

      não tens de agradecer, foi totalmente sincero:-) beijinhos grandes

  7. Responder

    Catarina

    Janeiro 27, 2014

    Concordo tanto com este texto 🙂 apesar de gostar de ter alguns básicos no armário, são os básicos que se adequam a mim, não todos os que as listas recomendam! E muito menos sou de ir com as modas todas, não porque elas têm o seu tempo (porque quando gostas das coisas, não importa assim tanto se está já um bocadinho demode), mas porque há muitas coisas que não ficam bem a toda a gente, mas que toda a gente insiste em usar. Ainda assim, não há nada que eu goste mais de ver que uma mulher confiante, cheia de estilo, independentemente do tipo de corpo ou de ser magrinha ou gordinha. Isso sim, dá-me verdadeiramente prazer. E muitas vezes, nem um básico se avista ali 🙂

    Beijinhos,
    Catarina.

    http://day-dreamer.blogs.sapo.pt/

LEAVE A COMMENT