Balanço de mais um ano passado

Mais um ano que passou e este de 2013 revelou-se um ano com muitos altos e baixos e sem dúvida o ano que mais cresci enquanto pessoa. 
2013 começou mal, muito mal mesmo. Não foram raras as vezes que chorei porque começar o ano de uma forma tão triste não poderia ser um bom presságio para o resto, mas a verdade é que não só estou rodeada de pessoas boas que me dão uma grande estabilidade, como acabo por ser uma pessoa que nunca tenta desanimar e por isso fui levando os primeiros meses do ano de cabeça erguida.
Comecei o ano desempregada, o tão temível desemprego que tantos jovens assolou bateu-me à porta também. Nunca tinha estado nesta situação, portanto senti-me revoltada por ser uma pessoa nova, com saúde e acima de tudo com vontade de trabalhar e ver-me numa situação de desemprego e sem grandes perspectivas, pois sempre que ligava a televisão e via as notícias desanimava. Foram meses de angustia e apesar de ter conseguido ir trabalhando como freelancer, tive momentos de verdadeira desmotivação, tive momentos depois de um número gigante de entrevistas em que recebia as propostas mais indecentes, em que quase desisti de trabalhar na minha área.
A par desta situação, Janeiro chegou também com o AVC da minha mãe, e sem saber muito bem como, iniciei o ano com uma das pessoas mais importantes da minha vida internada num hospital, com uma doença que chegou sem aviso e me deixou completamente sem chão. Foram tempos difíceis, em que condenei o mundo por isto ter acontecido, em que me senti claramente a perder forças e sem saber como seriam os próximos tempos.
Os meses foram passando devagarinho, a minha mãe saiu do hospital e com muita fisioterapia e terapia da fala conseguiu superar aquilo que se passou no início do ano, e eu depois de muitas entrevistas, depois de quase ter desistido de fazer o que gosto recebi o sim do sítio que menos esperava. Confesso que na altura fiquei com medo, uma agência grande, clientes importantes, um ritmo de trabalho muito diferente do que estava habituada, demasiadas horas a trabalhar, mas apesar disto eu sabia que era importante para mim, passar por esta experiência e foi assim que em Maio comecei um grande desafio,  que me fez claramente crescer enquanto profissional.
Aos poucos e a partir do meio do ano as coisas foram-se endireitando, a experiência que tive no desemprego não foi boa, mas ensinou-me uma grande lição de poupança e hoje em dia não caio tanto em tentações consumistas exactamente por ter passado pelo que passei. 
2013 trouxe-me também o voluntariado na UPPA. Era algo que já desejava há muito tempo, e que consegui concretizar a partir de Setembro. Foi uma decisão feliz, que me tornou sem dúvida uma pessoa muito menos egoísta e fez-me perceber que apesar de ter dias muito intensos era possível dedicar parte do meu tempo a esta causa que tanto adoro.
Setembro trouxe também a minha reeducação alimentar. Desde sempre me debati com o peso e o corpo, sempre consegui encontrar defeitos em tudo e a verdade é que viver assim não é bom para ninguém, e depois de uma avaliação no ginásio que revelou um elevado valor de massa gorda decidi mudar, por isso larguei o perder peso rápido, e acima de tudo o viver obcecada pela balança para com a ajuda de uma nutricionista começar um plano de reeducação alimentar e um plano de treinos personalizado.
Não perdi muito peso nem era essa a intenção (foram 3 kls), mas baixei muito a minha massa gorda, aumentei a massa magra (estas duas coisas é que dizem se somos saudáveis e não o pouco peso na balança) e ganhei sobretudo definição no corpo. Pela primeira vez na minha vida tenho uma coisa chamada abdominais e chego ao final do ano contente, com a sensação de dever cumprido e de querer continuar a levar esta vida saudável pois sinto-me muito mais feliz comigo mesma.
Pela primeira vez não vou entrar num novo ano a desejar emagrecer ou a prometer que vou mudar a minha alimentação, mas sim que vou continuar esta caminhada pois é assim que quero viver, saudável, sem remorsos e com a total consciência que cometer um ou outro pecado de vez em quando não faz mal nenhum.
Este ano começou realmente mal por aqui e aos poucos foi-se compondo, por isso para 2014 as únicas duas coisas que peço são saúde e trabalho. 
Pode parecer cliché, mas a verdade é que depois de tudo o que aconteceu em 2013, eu passei a dar muito mais valor a estas duas coisas, pois acreditem que pode até parecer velhice, mas estes meus 28 anos juntamente com este ano ensinaram-me que sem estas duas coisas certas na nossa vida, o resto pura e simplesmente não interessa. 
Posto isto que venha 2014, estou de braços abertos para te receber. 
Dezembro 27, 2013

RELATED POSTS

4 Comments

  1. Responder

    Ju Figueiredo Silva

    Dezembro 26, 2013

    O ano não começou mesmo da melhor forma, mas o que interessa é que aos poucos foi-se compondo e os momentos bons chegaram :), penso que o saldo acabou por ser positivo para ti 🙂 espero que o teu 2014 seja muito melhor, do início ao fim e que, se possível, os nosso cafézinhos aumentem ! um beijinho enorme *

  2. Responder

    melody

    Dezembro 26, 2013

    E que 2014 te traga tudo de bom – que bem mereces!
    Por aqui foi ao contrário. O meu 2013 começou super bem e só tem vindo a decrescer desde aí… Os últimos meses têm sido do pior que já vivi e só quero que este ano termine bem rapidamente e que as coisas más fiquem com ele… Mas enfim, 2014 é um novo ano e nova esperança surge com ele! 😀

  3. Responder

    Tsuri

    Dezembro 26, 2013

    Compreendo-te tão mas tão bem…
    Desejo que este últimos parágrafos se realizem e mantenhas essa clarividência e humildade.
    Um beijinho grande

  4. Responder

    Vanessa

    Janeiro 2, 2014

    O que é engraçado foi termos uma conversa sobre a primeira metade do ano, exactamente na mesma altura e vivermos coisas semelhantes. Lembro-me muito bem de falarmos de tudo oque nos perturbava e quase na mesma altura a nossa vida ter também mudado para pior. Espero que continuemos em sintonia, mas no lado bom 🙂

LEAVE A COMMENT